Para ser feliz é preciso ter algo para resolver, e ponto.

Quem nunca aqui ouviu a frase “mente vazia é oficina do diabo”? Pois bem, esse ditado popular é tão certo quanto a frase de Freud “Um dia, quando olhar para trás, os anos de luta lhe parecerão os mais bonitos”.

Não tenho a intenção de “romantizar” o problema, seja ele qual for, ele tem uma razão de ser, um propósito maior. E mesmo que esse seu “problemão” aí seja bem dolorido, quero lhe dizer uma coisa simples e real: Por mais que nos esforcemos, a vida é feita de fracassos, perdas, sofrimentos, arrependimentos, mortes inaceitáveis, traumas, dores, e tudo mais que foge do nosso controle. Mas, também é feito de muitas possibilidades, para contornarmos os  problemas em felicidade.

Sim, é bem normal que muitas vezes as coisas não dão certo mesmo. Mas, não dão certo para todos nós, que aqui estamos.

Casamentos acabam, vidas profissionais não decolam, doenças aparecem, e se você nunca sentiu dor, um dia sentirá. Se você nunca sofreu a perda de um ente querido, infelizmente também sentirá. A vida é muito mais de perdas do que de ganhos. E se entrarmos nesta seara, ficaremos tristes só de ler esse artigo, porque nem mesmo o ser humano mais iluminado que você conheceu, ou conhecerá estará isento de passar por isso! Tal é a lei que nos rege.

E por isso, nunca ouvimos tanto falar em tipos de tratamentos psicológicos,  terapias alternativas, livros de auto- ajuda, coaching, meditação, mindfulness, etc… Segundo a OMS, a Depressão será a doença mental mais incapacitante do mundo até 2020.

E o que isso quer dizer, meus amigos? Que não podemos deixar nossas mentes vazias, sendo oficina de problemas reais e imaginários!

Esses dados só nos fazem perceber, que a questão em como iremos lidar com os nossos problemas fará total diferença na qualidade de nossas vidas. O segredo está em resolver os problemas, e não em não ter problemas (já que isso é impossível).

“Porque a felicidade exige esforço. Ela se origina dos problemas. A alegria não brota do chão como margaridas e arco-íris. Satisfação e propósito genuínos, sérios e duradouros devem ser conquistados pela escolha e pela maneira como conduzimos nossas batalhas”. (trecho do livro A sutil arte de ligar o foda-se)

O que normalmente as pessoas esquecem, ou não se ligam mesmo é que todos nós temos lutas internas muito parecidas, problemas iguais ou semelhantes. Você não está sozinho no problema, mas você está sozinho na forma como escolheu ou escolhe passar por ele. E isso é o que nos diferenciam.

Sendo você jovem ou não, o que vai fazer você olhar para o seu problema com “bons olhos” é o auto-conhecimento (leia mais no post Autoconhecimento). Principalmente o conhecimento dos seus valores, pois são eles a base de tudo que somos e fazemos. Depois disso é olhar a sua volta, se colocar no lugar do outro, sentir a dor do outro também. Saber que existem pessoas no mundo com problemas e dores parecidas nos ajudam a unir forças.

Eu arriscaria dizer, que uma vida boa é feita de reconciliações, com aqueles que estão a nossa volta, e principalmente com os nossos próprios problemas (já que são eles os impulsionadores da nossa própria felicidade).

A alegria está na subida, nas lutas diárias, nos desafios aceitos, nas dificuldades vencidas, no trabalho realizado, na liberdade que o perdão nos trás, nos benefícios que proporcionamos à outrem, no legado de amor e paz que construímos, enquanto estamos aqui, neste mundo doído.

Um forte abraço meus queridos,

Andréa Lucena